top of page

Rinotraqueíte Viral Felina (Gripe do Gato): Entenda e Proteja seu Gato

Atualizado: 4 de jul.


Rinotraqueíte Viral Felina

A rinotraqueíte viral felina ou gripe do gato, também conhecida como herpesvírus felino tipo 1 (FHV-1), é uma doença respiratória comum em gatos que pode causar sintomas incômodos e impactar significativamente a qualidade de vida do felino.


Neste artigo, vamos explorar mais sobre a rinotraqueíte viral felina, seus sintomas, tratamento e maneiras de prevenção.


A rinotraqueíte viral felina é altamente contagiosa e pode se espalhar facilmente entre gatos através de secreções nasais, saliva e contato direto. Os sintomas incluem espirros frequentes, corrimento nasal, conjuntivite, febre, falta de apetite e letargia. Em casos mais graves, a rinotraqueíte viral felina pode levar a complicações respiratórias e oculares.

Agente causador da rinotraqueíte felina:

A rinotraqueíte viral felina é uma doença causada pelo vírus FHV-1, que pertence à família Herpesviridae. Esse vírus, envelopado e de dupla fita de DNA, afeta principalmente os gatos domésticos e outras espécies de felinos. Ele provoca infecções agudas e graves no trato respiratório superior e nos olhos dos hospedeiros.

Estudos indicam que a prevalência do FHV-1 pode chegar a 63% dos casos de infecções respiratórias em gatos. Os sinais clínicos dessa doença são semelhantes aos de outras afecções causadas por diferentes agentes, como a calicivirose, micoplasmose e clamidiose felina. A ausência de sinais específicos torna necessário que o profissional considere outras possibilidades diagnósticas durante a avaliação clínica.

Como os gatos sofrem com esta doença:

A rinotraqueíte viral felina é mais comum durante o inverno, quando a transmissão ocorre principalmente pelo contato direto entre os felinos afetados e outros gatos. Essa transmissão também pode acontecer de forma indireta, por meio de objetos contaminados (fômites) ou em locais com grande concentração de animais, como gatis.

Uma vez infectado, o gato se torna portador do vírus FHV-1 ao longo de toda a vida. No entanto, a doença apresenta períodos de latência, nos quais o vírus fica inativo no organismo. Mesmo durante esses períodos de latência, ainda é possível ocorrer a transmissão do vírus para outros gatos.

O vírus também pode permanecer em objetos do ambiente e infectar outros animais, mas sua viabilidade fora do hospedeiro é limitada e dura apenas algumas horas.

A rinotraqueíte felina pode afetar gatos de todas as idades e raças, mas é mais comum em gatos não esterilizados, gatas prenhes, animais debilitados ou imunossuprimidos, bem como em filhotes com sistemas imunológicos ainda frágeis.

Estagios da rinotraqueíte felina:

A doença se manifesta de maneiras diferentes, dependendo das fases descritas abaixo:


Fase de incubação: ocorre entre 2 e 5 dias após a infecção pelo vírus.


Fase aguda: durante essa fase, o vírus se multiplica principalmente nas células mucoepiteliais das tonsilas, tecido conjuntivo, linfonodos mandibulares, mucosa nasal do septo e conchas, nasofaringe, traqueia superior e também nas células epiteliais da córnea ocular e conjuntiva (ROCHA, 2021). Essa fase dura aproximadamente de 2 a 3 semanas.


Fase de latência: o indivíduo pode permanecer meses ou anos nessa fase. No entanto, o período varia de acordo com diversos fatores, como a idade do animal, exposição a doenças secundárias e uso de imunossupressores. Durante a fase de latência, o indivíduo pode não apresentar sinais clínicos.


Fase de reativação viral: o ressurgimento da doença ocorre com a reativação do vírus, podendo acontecer de forma espontânea ou estar associado a situações de estresse (ROCHA, 2021), como mudanças abruptas na alimentação ou no ambiente, presença de dores ou desconfortos, introdução e adaptação de um novo animal no mesmo ambiente, entre outros.


Sinais clínicos da doença em felinos

Os sinais clínicos podem variar de acordo com a exposição viral, a susceptibilidade individual de cada animal e as diferentes fases da doença (ROCHA, 2021). Além disso, infecções oportunistas secundárias, recorrentes ou crônicas, podem surgir devido à imunossupressão, tornando o animal mais suscetível ao adoecimento e dificultando sua recuperação.

As manifestações clínicas mais frequentemente observadas nesses casos incluem (ROCHA, 2021):

  • Espirros

  • Secreções oculares e nasais, que podem variar de transparentes a mucopurulentas

  • Dispneia

  • Febre

  • Letargia

  • Inapetência

  • Rinotraqueíte aguda

  • Necrose focal

  • Acometimentos oculares, como ceratite epitelial, conjuntivite aguda e ulcerações na córnea

  • Lesões macroscópicas, como necrose dos epitélios da cavidade nasal, epiglote, faringe, laringe, traqueia e tonsilas

  • Broncopneumonia e pneumonia intersticial

  • Acúmulo de células inflamatórias e exsudato fibrinoso nos alvéolos

  • Inclusões intranucleares nas células epiteliais, que podem ser visualizadas microscopicamente."


Diagnostico da rinotraqueíte viral felina

O diagnóstico é fundamental para que o médico veterinário identifique a melhor abordagem de tratamento, especialmente quando o animal apresenta imunossupressão ou agravamento dos sintomas. Durante o processo de diagnóstico, o profissional realiza uma anamnese detalhada para avaliar o histórico do animal e identificar os sinais clínicos apresentados, como secreções oculares, nasais ou da mucosa oral. Além disso, exames complementares, como a PCR, podem ser solicitados para diferenciar possíveis causas e personalizar o tratamento conforme a situação específica do caso. Sempre procure uma clinica veterinária de sua confiança para ter o diagnostico e tratamento de forma precisa, nunca faça nenhum tratamento em seu animal sem orientação de um profissional.


Tratamento para rinotraqueíte viral felina

Embora não exista um tratamento específico de 100% eficácia para combater a rinotraqueíte felina, geralmente são adotadas abordagens de suporte e tratamento sintomático adequado para cada caso. Além disso, outras medidas terapêuticas podem ser recomendadas para prevenir possíveis complicações, como a cegueira decorrente de lesões oculares graves.

O uso de medicamentos pode ser indicado para o manejo clínico, mas é essencial que o médico veterinário avalie cada paciente individualmente, considerando possíveis restrições ou particularidades que possam afetar a administração de certos fármacos.

Quando há sinais clínicos presentes, tratamentos sintomáticos podem incluir o uso de analgésicos sistêmicos para alívio da dor, anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) e, se necessário, antibióticos para tratar infecções bacterianas secundárias.


A rinotraqueíte felina é uma enfermidade com potencial de latência e crônica, podendo ocorrer reativação do vírus. Durante as fases aguda e de reativação viral, a recuperação pode levar de 2 a 3 semanas até que o animal entre novamente em período latente.

Métodos de prevenção para evitar a gripe felina

As vacinas V3, V4 e V5 oferecem proteção contra a rinotraqueíte felina e outras doenças, fortalecendo o sistema imunológico dos pets. No entanto, é fundamental que o médico-veterinário avalie qual é a melhor abordagem de imunização para cada paciente, considerando suas condições de saúde e outros fatores relevantes. O tutor deve ser alertado sobre a importância da vacinação do animal.

Além disso, é essencial armazenar as vacinas corretamente para garantir sua eficácia na soroconversão. Recomenda-se evitar que o gato tenha livre acesso à rua ou contato com outros animais não testados. A esterilização (castração) dos felinos também pode contribuir para reduzir a ocorrência de fugas. Em Londrina temos a Hospvet Clinica Veterinária que possui profissionais capacitados para este tipo de tratamento, dúvidas sobre a doença ou protocolo vacinal não hesite tirar dúvidas conosco. Poste sua dúvida aqui no blog ou entre em contato conosco! Será um prazer ajudarmos cada peludinho.





11 visualizações0 comentário

Comments


whatsapp-logo-icone
bottom of page